sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O que te irrita no outro...Reflita

O que me irrita no outro ou o que provoca a irritação no outro
 É o reflexo do que sou e do que ele é.
Foto: O que me irrita no outro ou o que provoca a irritação no outro é o reflexo do que sou e do que ele é.
Para uma convivência de paz de amor é necessário a compreensão a aceitação.
Quando você se dispõe a aceitar a compreender a ser paciente, a amar mesmo com adversidade, você está fazendo não somente pelo outro, mas por você e talvez você esteja fazendo muito mais por você que para o outro, talvez o defeito ou os defeitos estejam muito mais em você que no outro.
Corrija-se antes de corrigir.
Perdoe-se.
Reflita sobre suas atitudes.
Reflita sobre seus conceitos e preceitos.
Reflita sobre o que te irrita.
Pequenas atitudes, farão grandes diferenças, aceite que você erra, que você tem limites, que você é humana e ai ame-se e supere tudo, melhore pois quando aceitamos que também erramos ou ainda que somos nós que estamos errados é que conseguimos melhorar.
Não é fácil, aliás nada fácil, porém é o melhor.
Não troque de amor, de amigos mude as atitudes.

Segundo - Carl Jung, um dos precursores da psicanálise, já defendia a ideia de que o casamento (ou qualquer relacionamento íntimo e constante) é o tipo de relação na qual mais rapidamente podemos enxergar nossos próprios defeitos. Ou seja, a convivência com a pessoa amada é uma relação tão íntima, tão profunda e tão reveladora que, aos poucos, esta pessoa passa a apontar - consciente ou inconscientemente - nossos piores defeitos, nossas maiores limitações.

Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, 
Gálatas 5:22
Para uma convivência de paz de amor é necessário a compreensão a aceitação.
Quando você se dispõe a aceitar a compreender a ser paciente, 
a amar mesmo com adversidade, você está fazendo não somente pelo outro, mas por você e talvez você esteja fazendo muito mais por você que para o outro, talvez o defeito ou os defeitos estejam muito mais em você que no outro.
Corrija-se antes de corrigir.
Perdoe-se.
Reflita sobre suas atitudes.
Reflita sobre seus conceitos e preceitos.
Reflita sobre o que te irrita.
Pequenas atitudes, farão grandes diferenças, aceite que você erra, que você tem limites, que você é humana e ai ame-se e supere tudo, melhore pois quando aceitamos que também erramos ou ainda que somos nós que estamos errados é que conseguimos melhorar.
Não é fácil, aliás nada fácil, porém é o melhor.
Não troque de amor, de amigos mude as atitudes.

Segundo - Carl Jung, um dos precursores da psicanálise, já defendia a ideia de que o casamento (ou qualquer relacionamento íntimo e constante) é o tipo de relação na qual mais rapidamente podemos enxergar nossos próprios defeitos. Ou seja, a convivência com a pessoa amada é uma relação tão íntima, tão profunda e tão reveladora que, aos poucos, esta pessoa passa a apontar - consciente ou inconscientemente - nossos piores defeitos, nossas maiores limitações.

Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade,
Gálatas 5:22
A PAZ 
Pra Lurdinei