domingo, 16 de dezembro de 2012

Mulheres guerreiras: A VOCÊ MULHER GUERREIRA, NÃO DESISTA DE LUTAR

A VOCÊ MULHER GUERREIRA, NÃO DESISTA DE LUTAR
Leia essa história, mande-me a sua por email:lurdineiejoao@hotmail.com 
JUNTAS PODEMOS MUITO 
POIS QUEM ESTÁ NO COMANDO DE NOSSAS VIDAS É DEUS
Seu testemunho edifica, ajuda a muitas mulheres que agora não sabem o que fazer diante de furacões.

FRAGMENTO DA HISTÓRIA DE SUSANA WESLEY



Eu quero iniciar esse ano deixando para todas a mulheres da Comunidade Rocha Viva uma mensagem de encorajamento e fé.  Por isso vou postar uma breve biografia de uma mulher que deve ser exemplo para todas nós, Susana Wesley.

Susana Wesley
"Mãe dos irmãos Wesley, criou filhos para Deus"
Susana Wesley foi a maior de vinte e cinco irmãos e a mãe de dezenove filhos. John, seu décimo quinto filho, fundador do Metodismo, nasceu em Epworth, Inglaterra, na mesma cidade onde também nasceu Charles, seu filho décimo oitavo, o compositor de hinos famosos.
Ela suportou privações, mas nunca se desviou da fé e da mesma maneira ensinou a seus filhos. Sobrepondo-se às provas, ela praticava o que pregava a seus filhos. Ainda que deu a luz dezenove filhos entre 1690 e 1709, e era uma mulher por natureza frágil e ocupada com os muitos cuidados de sua família, apartava duas horas cada dia para a devoção a sós com Deus. Susana tomou esta decisão quando já tinha nove filhos. Não importava o que ocorresse, ao soar o relógio ela se apartava para sua comunhão espiritual.
Na biografia sobre Susana Wesley, Mabel Brailsford comenta: “Quando nos perguntamos como vinte e quatro horas podiam conter todas as atividades normais que ela, uma frágil mulher de trinta anos, era capaz de realizar, a resposta pode ser achada nessas duas horas de retiro diário, quando ela obtinha de Deus, na quietude de seu quarto, paz, paciência e um valor incansável”.As provas que Susana suportou poderiam tê-la achatado. Somente nove de seus dezenove filhos sobreviveram até a vida adulta. Samuel, seu primogênito, não falou até os cinco anos. Durante aqueles anos ela o chamava “filho de minhas provas”, e orava por ele noite e dia. Outro filho se asfixiou enquanto dormia. Aquele pequeno corpo foi trazido a ela sem nenhuma palavra que a preparasse para enfrentar o que tinha sucedido.Seus gêmeos morreram, ao igual que sua primeira filha, Susana. Entre 1697 e 1701 cinco de seus bebês morreram. Uma filha ficou deformada para sempre, devido ao descuido de uma empregada. Algum de seus filhos tiveram varíola.Outras dificuldades a perseguiram. As dívidas cresciam e o crédito da família se esgotava. Seu esposo, que nunca foi um homem prático, não conseguia viver dentro do orçamento de sua família, e se não tivesse sido pela diligência de sua mulher, com freqüência não teriam tido alimento.
Desde o ponto de vista puramente material, a história de Susana foi de uma miséria invulgar, privações e fracasso. Espiritualmente, em mudança, foi uma vida de riquezas verdadeiras, glória e vitória, pois ela nunca perdeu seus altos ideais nem sua fé sublime. Durante uma dura prova, ela foi a seu quarto e escreveu: “Ainda que o homem nasça para o infortúnio, eu ainda creio que têm de ser raros os homens sobre a Terra, considerando todo o curso de sua vida, que não tenham recebido mais misericórdia do que aflições e muitos mais prazeres do que dor.

Que a vida e o legado que ela deixou possa inspirar a todas vocês da mesma forma que me inspira. (fonte: livrariavozqueclamanodeserto.blogspot.com)
A PAZ 
PRA LURDINEI