quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Depressão/ Liberte-se


O que é que a sua depressão está dizendo? O que significa?
liberte-se

Enquanto você procura ouvir sobre Cristo e o propósito para a sua vida, o próximo lugar para aplicar o seu pensamento consiste em perguntar, “O que é que dizem os meus sentimentos?” Os seus sentimentos dizem alguma coisa sobre você mesmo.
Esta é a forma como acontece com todas as emoções: o medo, a ira, a antecipação, o pavor, etc. Essas emoções são geralmente causadas por algumas circunstâncias na sua vida, mas são também as suas respostas e, ao mesmo tempo, as suas interpretações de eventos. Em outras palavras, elas revelam quem você é. Por exemplo, se você recebe uma conta inesperada, isso pode causar-lhe preocupações financeiras. Mas se você estiver obcecado e cronicamente receoso sobre o seu futuro financeiro, o medo revela em quem você confia: você confia em você mesmo em vez de confiar no seu Deus. As suas emoções revelam quem você é.
Moisés disse a mesma coisa aos Hebreus quando eles andavam vagueando no deserto. Ele cria que as dificuldades da vida no deserto haviam servido para testar o povo, “…para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos ou não” (Deuteronômio 8:2). Quando o povo estava descontente e, até mesmo irado, estava dizendo mais sobre si mesmo do que sobre o deserto.
O mesmo é verdadeiro quanto à depressão: a depressão diz alguma coisa sobre o seu coração. A questão é, o que está dizendo? É aqui que você tem que pensar. Considere algumas destas possibilidades. Quem é que dita os seus sentimentos de desânimo?
  • “Eu tenho medo”.
Medo de:
tomar uma decisão errada;
fracassar;
ser exposto;
perder um ser amado;
ser abandonado;
não ter o controle;
morrer;
ter uma doença incapacitante;
ver Deus;
tudo.
  • “Eu sou culpado”, ou, “Eu tenho vergonha”.
Culpado de:
meu próprio pecado;
não estar à altura dos meus próprios padrões de sucesso em vez de considerar os padrões de Deus;
não ser aprovado pelas pessoas cujas opiniões se tornaram mais importantes do que as opiniões de Deus;
viver como se tivesse de pagar a Deus pelo meu pecado quando, na verdade, a forma de poder glorificar Deus consiste em concordar que Ele já pagou por tudo;
uma consciência que faz julgamentos com base em dados incompletos (como, por exemplo, assumindo a responsabilidade pelos pecados alheios).
  • “Eu perdi alguma coisa”.
A depressão muitas vezes provoca um vazio. Como se você tivesse perdido alguma coisa ou alguém. Poderia ser um emprego, saúde, juventude, dinheiro, um ser. Você sente como se um ser amado tivesse morrido. Mas a depressão é mais do que um luto. É um luto enlouquecido. Muito provavelmente, a coisa perdida era como um deus para você. Era onde você colocava a sua esperança e confiança.
  • “Eu preciso de alguma coisa”.
A depressão está a dizer-lhe que você precisa de amor, significado, respeito ou algum outro desejo psicológico? Todos gostamos destas coisas quando as temos, mas por vezes elas tornam-se mais importantes do que deviam. Você pode perceber o que acontece quando os seus desejos se tornam na coisa mais importante de sua vida? Os seus desejos transformam-se em necessidades. Você sente como se tivesse que os ter a fim de viver. Isto é cobiça e a cobiça quer sempre mais. Nunca se satisfaz. Sente-se sempre vazia.
  • “Estou irado”.
Você provavelmente ouviu o que a depressão poderá estar lhe dizendo: “Estou irado”. Usualmente estamos irados porque não obtivemos o que exigimos de alguém ou do próprio Deus. Isto não significa que você tenha pensamentos homicidas ou que você esteja brandindo o seu punho contra Deus (ainda que este possa ser o caso). Então, procure expressões mais calmas da ira, tais como queixas, murmurações, falta de perdão, ou auto-piedade. Se você não as vê, olhe de novo. Elas estarão lá.
  • “Devo evitar alguma coisa”.
Considere o que poderia ser desagradável sobre a sensação de não mais estar deprimido. Você teria que confrontar-se com algo que você quisera evitar? Tal como uma pessoa, ou dificuldades financeiras, ou responsabilidades que incluem a possibilidade de fracasso? A névoa mental e a fadiga física da depressão ajudam-no a evitar pensar sobre algum acontecimento perturbador, ou sobre uma pessoa em particular.
  • “Ai de mim!”.
Conselheiros experientes que prestam ajuda às pessoas deprimidas, são rápidas em apontar o fato de que a depressão fala a linguagem da auto-piedade. “Se ninguém mais vai sentir pena de mim, eu sentirei pena de mim mesmo.” Isto pode ser mortal. Significa que você vive como uma vítima em vez de viver como aquele a quem graça e piedade infinitas, foram demonstradas
  • “Eu não tenho esperança”
Se isto lhe parece familiar, então você tem que fazer outra pergunta: “Esperança de quê?” Esperança de que se vai libertar da depressão? Talvez você esteja esperando muito pouco.
“Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz paciência; e a paciência, a experiência; e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado.” (Romanos 5:2-5). Esta passagem das Escrituras é difícil de entender, mas uma coisa está clara. O Apóstolo Paulo, que escreveu esta carta, sentiu profunda dor e sofrimento na sua vida, mas, de qualquer forma, isso não o derrubou.
A sua tarefa consiste em descobrir o segredo de Paulo, segredo o qual, ele está ansioso por revelar. Eis uma dica: “Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos” (Hebreus 12:3). Paulo manteve os seus olhos em Jesus. Quando nós retiramos os nossos olhos de Jesus, a estrada é infinitamente longa. Sabemos que não teremos resistência para tal façanha. Mas quando vemos que Jesus – o Conhecedor de corações – viajou esta estrada antes de nós, então podemos estar confiantes de que o Espírito está conosco e nos dará força para caminharmos, em fé humilde e em obediência.
E não foi só Jesus que caminhou por este caminho de esperança antecipando as glórias que estavam, ali mesmo, logo depois da curva, quase fora de vista. Como indica Hebreus 11, o caminho está bastante usado e populado por santos do passado e do presente. Embora as pessoas deprimidas se sintam absolutamente sós, elas, na verdade, fazem parte de uma gigantesca procissão de santos em direção aos céus.
  • “Eu sei que o meu Redentor está comigo e eu esperarei humildemente pelo seu salvamento”.
Quando a fé é testada, como acontece durante a depressão, por vezes o que se revela é um coração que confia no Senhor. Você decidiu que seguiria a Deus, não porque Ele faz com que você se sinta bem, mas porque Ele é o Senhor de tudo, o Pastor amante, o Pai eterno. Não resta mais ninguém para seguir. Naturalmente, você não compreende o que está acontecendo com você agora, mas você sabe que Ele é o seu Deus e que Ele está consigo, e isso é o suficiente.
O que diz a sua depressão? Esta é apenas uma pequena lista de algumas das expressões mais comuns do coração. Existem muitas mais. Se você não consegue distinguir o significado da sua depressão, existe muito mais ainda para se fazer. Ouvir o evangelho de Cristo, conhecer o seu propósito e atuar sobre esse propósito, consistem, por si mesmo, suficiente trabalho. Mas continue a perguntar o que a sua depressão lhe está dizendo.
Confie e adore somente a Deus
Enquanto você pensa sobre o significado dos seus sentimentos, você vai notar que, em vez de ser conduzido para um desespero cada vez maior, a vereda o conduzirá ao Deus trino. Mais especificamente, irá conduzi-lo à pergunta, “Você vai viver para Deus? Ou para si mesmo e para as coisas que você adora? Por vezes demora-se um pouco para responder a estas perguntas mais críticas, mas elas estarão sempre lá, para serem respondidas.
Usualmente tudo o que você tem a fazer é perguntar-se, da mesma maneira como faria uma criança de três anos,
“Porque?”
“Porque não posso continuar”.
“Porquê?”
“Porque já estou cansado e não posso suportar mais a dor”.
“Porquê?”
”Porque eu sinto como se estivesse sozinho”.
”Porquê?”
“Porque… não creio que Deus esteja comigo”.
“Porquê?”
”Porque… não confio nele. Eu confio na minha interpretação que procedem dos meus sentimentos”.
Os “porquês”, devem conduzi-lo a Deus. Você ficará cansado das perguntas já na altura em que chegue à segunda, mas deixe que elas continuem. No fim das suas perguntas, diga ao Senhor, “Jesus és o meu Senhor, eu confesso a minha incredulidade e confio em Ti”.
Confiança, confissão de pecado e seguir a Cristo em obediência – parece familiar? Estas são as bases da vida espiritual. Quando você atingir por baixo do superficial, estas, finalmente, serão as coisas realmente importantes para todos nós. E você vai descobrir que funcionam. E se isso lhe parece superficial, então você está adormecido para os segredos do universo e precisa voltar a ouvir. Não confie naquilo que as suas emoções lhe dizem sobre esta questão. Elas podem ser simples, mas não são simplistas. Elas são os fundamentos da própria vida. Elas são os caminhos primários de como devemos responder a Deus.
Confesse os pecados ao seu Pai nos céus
Confiança em Cristo, confissão de pecado, obediência Àquele que o ama. Destes três, confessar o pecado parece ser desencorajador no princípio. Pode ser que você já sinta-se como uma pessoa má. Isto faz com que você se sinta pior. Mas, reflita:
  • Se o Espírito de Deus lhe vai permitir que você veja o pecado na sua vida, você já tem uma boa evidência de que Ele é o seu Pai e de que você é Seu filho. Você não pode ver o seu próprio pecado sem que Deus o revele.
  • Confessar os pecados deve ser uma parte normal da nossa rotina diária, quer estejamos depressivos ou não (Mateus 6:9-13).
  • Confessar os pecados não põe em risco o nosso relacionamento com Deus. Apenas o realça. Se nós temos confiado em Cristo, o julgamento divino do nosso pecado caiu sobre Cristo, não sobre nós. Confessar os pecados lembra-nos que Cristo já tratou do nosso mais profundo problema e que temos razão para estarmos agradecidos
Eis a regra. Se você considera aquilo que a sua depressão lhe diz e se isso lhe toma totalmente de seu relacionamento com Cristo, então não pare nessa jornada até ter ouvido algo de bom. A Palavra de Deus ensina-nos sempre, em tudo, concluir com Jesus e com palavras que são boas novas aos nossos ouvidos.
Portanto não se detenha com, “Miserável homem que eu sou”. Você pode ser um miserável, mas não pode terminar aí. “Dou graças a Deus por Cristo Jesus nosso Senhor!” (Romanos 7:24,25). Lembre-se que se você colocou a sua fé em Jesus, você é perdoado, adotado, amado e feliz. Você tem que começar a pensar na forma como Deus pensa, e não na forma como você pensa.
Tome passos práticos de amor e obediência
A lista a seguir inclui um número de aplicações da Escritura. A ideia básica consiste em que a fé se expressa em acção.
  1. Escolha uma história bíblica, leia-a todos os dias e escreva 25 aplicações da mesma (ou 5, 10, ou 50 aplicações). Isto poderá parecer-lhe impossível, mas logo que você passe as primeiras dez - creia-me - ficará mais fácil. Esteja consciente dos frequentes desvios de sua atenção. Sua mente está fatigada. Certamente lhe será difícil concentrar-se numa só coisa, mas, fazê-lo, lhe ajudará.
  2. Escreva cinco maneiras de como você foi abençoado por algum amigo. Notifique-o pelo correio.
  3. Escreva seu propósito para viver. Deixe que isto seja revisto por outros. Depois memorize e viva-o.
  4. Torne-se perito naquilo que Deus diz àqueles que sofrem. Considere começar com as palavras de Hebreus 10-12. Este texto convoca-o para a fé e a esperança e, logo, lhe conduz a Jesus. Mas, ainda, não se detenha aí. As Escrituras, de igual maneira, também nos apontam caminhos em direção a outras pessoas: fé em Deus, amor por outras pessoas. Neste caso, as Escrituras dizem: “Segui a paz com todos” (Hebreus 12:14). Como você poderá ser um pacificador? A quem você precisa perdoar? De quem você precisa pedir perdão?
  5. Anote o sermão de domingo. Atue sobre as coisas que você anotou.
  6. Cada dia, fale ou escreva alguma coisa que possa servir de encorajamento para outros. Você tem um chamamento. Existem pessoas às quais você foi chamado para amar, para cuidar, para ajudar.
  7. Todos os dias ouça a Palavra de Deus e ouça música que lhe conduza a Cristo, ou ouça a outra pessoa que tenha sabedoria espiritual. Capacite-se para resumir aquilo que ouviu, e fale a alguém sobre isso.
  8. Mantenha-se atento para os indícios de descontentamento e de queixas. Pecados tais como os mexericos. Estes são pecados aceitáveis na nossa cultura, o que nos impede de ver as suas raízes horríveis. O que, realmente, afirmam o descontentamento e as queixas? Você pode perceber como eles se dirigem contra Deus?
  9. Considere todas estas perguntas. Nesta nossa cultura, será que já esquecemos os benefícios trazidos pelas dificuldades e provações? Quais são os possíveis benefícios do sofrimento? (Salmo 119:67; 2 Coríntios 1:8-10; Hebreus 5:8; Tiago 1:3).
  10. Peça a algumas pessoas para orarem por você e convide-as a lhe dizerem a verdade. Quando você pede por oração, peça por mais do que o simples alívio da depressão. Use isto como uma oportunidade para orar por grandes coisas. Encontre orações nas Escrituras e ore de igual maneira. Por exemplo, ore para que você possa conhecer o amor de Cristo (Efésios 3), para que você se assemelhe mais a Jesus (Romanos 8:29), para que você possa amar aos outros e para que você possa entender o que significa glorificar a Deus.
  11. Quando em dúvidas, mostre, criativamente, o seu amor por outras pessoas.
Pensamentos finais
A depressão é difícil de suportar. Ela não vai embora sem luta. Mas existem boas razões para que você se engaje nessa luta. Mudanças são garantidas (Filipenses 1:6). Você está na presença do “Deus de toda consolação, que nos consola em toda a nossa tribulação” (2 Coríntios 1:3, 4). Você crê nisso? Pense nisto. Quando você considera que o Pai enviou o Seu Filho – o Seu amado e único filho – para morrer por nós quando ainda éramos Seus inimigos, então não existe razão para pensar que Ele será mesquinho em Seu amor e compaixão agora que O conhecemos como Pai.
No entanto, por vezes, nós temos a nossa própria definição de compaixão. Compaixão pode significar “rapidamente, retirar nossa miséria”. Em vez disso, você deverá crer que o amor de Deus e a Sua compaixão excedem, até mesmo, a nossa própria imaginação, e, muito mais, nossa compreensão. Ele tem sempre algo de bom. Quer banhá-lo com graça e fazer com que você se pareça cada vez mais com Jesus.
Portanto, não desista. Você tem um propósito. Deus está atuando. Você é um servo do Rei, um filho que representa o Pai, e em breve você terá o privilégio de “consolar os que estiverem em alguma tribulação” (2 Coríntios 1:4). O corpo de Cristo precisa de você.


Creias a sua libertação chegou em nome de JESUS.
Pra Lurdinei